Bem-vindos ao Site do Instituto Teológico
"Missionário Walter estevão Goodband" e da
F.T.L. - FACULDADE TEOLÓGICA DE LORENA

Este espaço foi criado para você que é aluno da nossa instituição poder interagir e tirar suas dúvidas de onde você estiver. Aqui você encontrará também todas as informações necessárias sobre nossos cursos, estágios, notas do último semestre, eventos, estudos bíblicos e uma infinidade de ferramentas que irão te auxiliar durante seu curso. Seja bem-vindo!

VISITE NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK E ACOMPANHE TODOS OS EVENTOS!

Inscrição Pós-Graduação em Docência do Ensino Superior (Parceria FAETEL);

Inscrição para os demais cursos:

Curso Teológico Pleno (Confessional); Curso Teológico Básico; Curso Teológico à Distância.

APRESENTAÇÃO TCC FTL 2017

1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>

NOTA DE ESCLARECIMENTO:

Diante da nova lei, que não permite mais a integralização de créditos para obtenção do diploma de Bacharel em Teologia reconhecido pelo MEC, tivemos que buscar uma nova possibilidade de conseguirmos este direito. Fizemos uma parceria com a FAETEL de São Paulo e foi criado uma extensão da mesma, em nossa faculdade em Lorena. A partir desde semestre nossos alunos, estão fazendo o curso devidamente reconhecido pelo MEC, e com tempo de duração menor: 3 anos. Damos graças à Deus por mais esta grande vitória. Maiores informações em nossa secretaria.

Um abraço. Prof. Neir Ligabo

 

Jesus Cristo é o cordeiro de Deus

A historia da humanidade é marcada por sonhos de conquista, de domínio e indepedência. A grande pergunta é esta; Porque nunca estamos satisfeitos com o que temos ?
No livro do gênesis também foi assim, a busca pelo novo, pelo diferente, levou nossos 1ºs  pais à cometerem este erro, digo erro, não porque seja errado buscar uma melhoria, mas sim desprezar os princípios absolutos, e reconhecer agradecendo pelo que temos. Salomão diz no livro de proverbios que os desejos são como o mundo dos mortos, sempre há lugar para mais um.
Em todas as coisas há limites e quando estes limites são ultrapassados, implica em erro. As vezes são corrigíveis, mas as vezes não, a verdade é que todo erro traz consigo uma consequência. " Tudo o que o homem semear, isto mesmo ele colherá ", se o bem colherá o bem, se o mal colherá o mal.
Estas verdades nos levam a uma condição necessária, o homem é um grande paradoxo, isto é, capaz de fazer o bem e ao mesmo tempo o mal.
Depois da queda do homem no Jardim do Eden, sua condição mudou para pior, onde sua natureza espiritual deu lugar à natureza carnal, e daí em diante, o homem feito a imagem e semelhança de Deus, para viver com Deus, foi rejeitado à viver sem Deus.
Nestas condiçoes, Deus olhou do céu à terra e não viu um justo se quer, e foi por esta causa que o Filho de Deus, Jesus Cristo, tornou-se " O Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo."
Crer nesta verdade nos dá o direito de entrar no céu pelas portas, e viver eternamente na presença do Senhor nosso Deus.
 
Pastor e professor Neir Ligabo

O CRISTÃO E A BÍBLIA

“ A tua Palavra é lâmpada para guiar os meus passos, é luz que ilumina meu caminho.” Sl 119.105 – (NTLH)

PR. NEIR LIGABO

1 - A ORIGEM DA BÍBLIA

A palavra “bíblia” é derivada do latim, proveniente da palavra grega bíblia (livros).

Bíblia Sagrada, um termo sinônimo de “a Bíblia”  é  “os  Escritos” ou “as Escrituras” (em grego hai graphai, ta gramata), frequentemente usado no Novo Testamento para designar, no todo ou em parte, os documentos do Antigo Testamento. Por exemplo, Mateus 21.42 diz: “Nunca lestes nas Escrituras?” “en tais graphais). A passagem paralela de Marcos 12.10, traz o singular, referindo-se ao particular texto citado:  “Ainda não lestes esta Escritura?” (Tem graphen Tauten). Em 2 Timóteo 3.15, temos “as sagradas letras” (ta hiera gramata), e o versículo seguinte (ARA) diz: “Toda Escritura é inspirada por Deus” (pasa grafe Theopneustos). Em 2 Pedro 3.16 “Todas” as epistolas de Paulo são incluídas junto com “as outras Escrituras” (Tas loipas grafas), as quais presumem-se que sejam os escritos do Antigo Testamento e provavelmente os evangelhos também.

A Bíblia Sagrada é composta por dois Testamentos. A palavra “testamento”, para as duas divisões da Bíblia, remonta através do Latim testamentum ao termo grego diathéke, o qual na maioria de suas ocorrências na Bíblia grega significa “concerto” em vez de “testamento”, em Jeremias 31.31, foi profetizado um novo concerto que iria substituir aquele que Deus fez com Israel no deserto (cf Êx 24.7,8), “Dizendo Novo Concerto, envelheceu o primeiro” (Hb 8.13).

O Antigo Testamento é composto por 39 livros e o Novo Testamento por 27 livros, totalizando 66 livros. (pequena coleção de livros) “A Bíblia Sagrada”. Foi escrita por aproximadamente 40 autores diferentes, em culturas diferentes, num período de aproximadamente 1600 anos.

Bendito seja o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos deu a sua Palavra, escrita por homens santos, ora inspirados, ora por revelações diretas do céu.

 

THEO LOGIA – Estudo de Deus.

 

2 - A MENSAGEM DA BÍBLIA

A Bíblia tem desempenhado, e continua a desempenhar, uma função extraordinária na história da civilização, muitas línguas foram postas pela primeira vez na forma escrita  para que a Bíblia, no todo ou em parte, pudesse ser traduzida para essas línguas, e isso não é se não uma pequena amostra da missão civilizadora da Bíblia no mundo.

Essa missão civilizadora é o efeito direto da mensagem central da Bíblia. Pode parecer surpreendente que se fale em uma mensagem central numa coleção de escritos que reflete a história da civilização no Oriente próximo ao longo de alguns milênios.  Mas há uma mensagem central, e, é o reconhecimento desse fato que tem levado a Bíblia a ser tratada comumente como um livro, e não como uma coleção de livros _ assim como a palavra grega plural biblia (“livros”) tornou-se no termo latino singular Biblia (“o livro”).

A mensagem central da Bíblia é a história da salvação, e, ao longo de ambos os Testamentos, podem ser distinguidos três elementos comuns nessa história reveladora: aquele que traz a salvação, o meio de salvação e os herdeiros da salvação. Isso poderia ser reformulado sob o aspecto da ideia do concerto, dizendo que a mensagem central da Bíblia  é o concerto de Deus com os homens e que os elementos comuns são: o mediador do concerto e o povo do concerto. Deus mesmo é o Salvador do seu povo; é Ele que confirma seu concerto de misericórdia com o seu povo. Quem traz a salvação, o mediador do concerto, é Jesus Cristo, o Filho de Deus. O meio da salvação, a base do concerto, é a graça de Deus, que exige de um povo uma resposta de fé e obediência. Os herdeiros da salvação, o povo do concerto, são o Israel de Deus, a Igreja de Deus.

A continuidade do  povo do concerto, proveniente do Antigo Testamento para o Novo, está oculta para o leitor comum da Bíblia em português, porque “igreja” é uma palavra exclusiva do Novo Testamento e, naturalmente, esse leitor da Bíblia grega não foi confrontado por nenhuma palavra nova, quando achou ekklesia no Novo Testamento, já a havia encontrado na Septuaginta como uma das palavras usadas para indicar Israel com a “congregação “ do povo do Senhor. Certamente há um novo e mais profundo significado no Novo Testamento. O povo do antigo concerto teve de morrer com Ele, a fim de ser ressuscitado com Ele para uma nova vida – uma nova vida na qual as restrições nacionais haviam desaparecido. Jesus fornece em si mesmo a continuidade vital entre o antigo e o novo Israel, e seus seguidores fiéis são não apenas o remanescente justo do antigo Israel, mas também o núcleo do novo. O servo do Senhor e seus servos unem os dois Testamentos num só.

A mensagem de Bíblia é a mensagem de Deus para o homem, comunicada “muitas vezes e de muitas maneiras” (Hb 1.1) e finalmente encarnada em Jesus.

Por conseguinte, “autoridade da Santa Escritura, a qual deve ser crida e obedecida, não depende do testemunho de algum homem ou igreja, mas inteiramente de Deus (que é a própria verdade), o seu autor; e, portanto, deve ser recebida, porque é a palavra de Deus”.

 

3 - O VALOR DA BÍBLIA PARA O CRISTÃO

A história da existência humana começa com a criação do homem no jardim do Éden, onde o destaque está na comunhão do homem com Deus. Aqui começa a história bíblica das dispensações, que está dividida em sete, onde cada uma delas marca um momento de pacto ou aliança entre Deus e o homem. Cada aliança está condicionada à obediência às leis divinas.

A primeira dispensação, é, a da inocência, marcada pela desobediência do primeiro casal “ Adão e Eva”, que como consequência foram expulsos do paraíso. Depois seguiram-se as demais dispensações; Da consciência (Abel e Caim), Do governo humano (Noé), Da Patriarcal, (Abraão), Da lei (Moisés), e a atual Da graça (Jesus Cristo), em todas o homem fracassou, (desobedeceu), precisando da misericórdia de Deus.

A obediência é a chave que liga o homem a Deus, e para tanto, precisa primeiro  conhece-lo, e este conhecimento, está diretamente relacionado ao conhecimento das “Escrituras Sagradas” a Bíblia, pois Ela é a palavra de Deus. Tudo o que se quer saber sobre a pessoa do Senhor nosso Deus, está escrito na Bíblia.

Os atributos de Deus, o amor, a bondade, a misericórdia, a paciência, a sabedoria, a justiça e os demais atributos, estão escritos para conhecimento nosso afim de que conhecendo possamos obedece-lo e adorá-lo, na beleza da sua santidade, e viver uma vida feliz e próspera. (vida espiritual e vida material).

“Quem peca é culpado de quebrar a lei de Deus, porque  o pecado é a quebra da lei. Vocês sabem que Cristo veio para tirar os pecados e que Ele não tem  nenhum pecado. Assim, quem vive unido com Cristo não continua pecando. Porém quem continua pecando nunca o viu e nunca o conheceu”. I Jo 3.4-6 (NTLH)

“Porem, se vivermos na luz, como Deus está na luz, então estamos unidos uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos limpa de todo pecado”. I Jo 1.7 (NTLH)

A BÍBLIA é para nós CRISTÃOS, o alimento para nossa alma, e luz que nos dá a direção certa, para sermos felizes nesta vida e por fim termos a VIDA ETERNA.

GLÓRIAS SEJAM DADAS A DEUS, E BENDITO SEJA A SUA PALAVRA “BÍBLIA”

Conheça o site da FAETEL

http://www.faetel.edu.br

CURSO DE DISCIPULADO

Ideal para classe de novos convertidos, estudos bíblicos, culto doméstico, etc.

Baixe agora a apostila formatada

Apostila Curso Discipulado.pdf (510 kB)

ou acesse o site:

Professor repelente X professor atraente

Sua postura antes, durante e depois da aula define a que grupo você pertence

A Educação Cristã é um departamento que enfrenta tempos difíceis. Isso porque educar tem se tornado a mais complicada tarefa para o ser humano. Com o passar dos anos, os nossos alunos vêm adquirindo comportamentos que deixam os educadores preocupados e até com muitas dificuldades para realizar sua função.

Hoje, ensinar adolescentes tem sido um desafio para grandes mestres e professores de vasta experiência na área. Mesmo assim, o resultado não tem sido satisfatório. O maior obstáculo enfrentado por todos os ensinadores é descobrir os anseios, desejos e problemas da adolescência, alcançando a mente e o pensamento desse grupo.

A indisciplina dos nossos alunos adolescentes tem deixado muitos professores sem vontade de ensinar, desestimulados e enfraquecidos na sua prática. Dizer que esses problemas não acontecem na nossa querida Escola Dominical seria negar uma verdade tão evidente. É certo que na área secular os problemas são maiores e mais complexos, mas precisamos estar alerta com relação às dificuldades já enfrentadas no ensino da Palavra de Deus, principalmente nas classes de crianças e adolescentes.

Neste artigo, gostaria de destacar, entre os diversos tipos de professores de adolescentes, os dois mais notados entre os docentes da Escola Dominical: O Professor Repelente, que tem uma prática reprovada e sem sucessos; e o Professor Atraente, que, por sua vez, é dinâmico tendo uma prática exemplar.

Para compreendermos melhor esse tema e refletirmos juntos, vamos estabelecer um paralelo entre os dois tipos de professores acima mencionados.

Professor repelente

Não gosta dos alunos
– o professor repelente não demonstra interesse em conhecer o seu aluno, não permitindo aproximação. Parece não apreciar as atitudes e maneiras de ser dos adolescentes. Não permite diálogo com a classe e mostra-se sempre distante deles, assumindo uma atitude crítica, não proporcionando a oportunidade de ajudá-los a ter desejo e gosto pelo aprendizado. Um professor com essas características não consegue cativar a classe e acaba imprimindo nos seus alunos muito desinteresse para as próximas aulas.

Vive desatualizado – ele é descomprometido com a atualidade. Não lê jornais, revistas ou livros atuais; não busca novas notícias e não proporciona oportunidade de discutir com os alunos sobre os acontecimentos de sua época.

Além disso, vive sem noção do tempo, espaço e informações. Agir assim é demonstrar-se incapaz de ensinar, é permanecer despreparado para desenvolver qualquer habilidade na área do ensino da Palavra de Deus. Afinal, ele não estuda a própria Bíblia.

Permite indisciplina – sua maneira de ser gera alunos indisciplinados, pois o próprio professor contribui para isso. Ele acaba transformando sua autoridade e domínio de conteúdo e classe em desorganização e desrespeito. A indisciplina deixa a aula sem objetivos e propósitos, reduzindo as chances de o aluno aprender e atrapalhando o processo ensino-aprendizagem. Quando tolera a indisciplina em sua aula, o professor incentiva o desrespeito e estraga o relacionamento professor/aluno, levando também à desorganização das etapas do planejamento e do desenvolvimento das atividades necessárias àquela aula.

Não planeja aulas – o professor que não se prepara para dar aula está desrespeitando seus alunos. E podemos considerá-lo sem vocação para tal ofício. Sem o preparo adequado da aula semanal, é impossível haver ensino e, consequentemente, aprendizagem e mudança de vida e comportamento, o que deveria ser o alvo de todo professor de ensino das Escrituras. Essa maneira de ser do docente deixa o adolescente sem vontade de voltar na próxima aula.

Não utiliza recursos didáticos – trabalhar com adolescentes exige obrigatoriamente o uso de recursos didáticos. Os jovens gostam de criatividade, surpresa, movimento e dinamismo. Já o professor repelente não sabe motivar sua classe de Escola Dominical, pois geralmente não apresenta nenhuma novidade. Ele não usa dinâmicas ou qualquer atrativo para mudar o estilo de sua monótona aula. Na maioria dos domingos, apenas lê a lição, tornando a aula muito cansativa. Um professor assim, sem estratégias e recursos, deixa seus alunos apáticos e dispersos durante a aula.

Professor atraente

Conhece e gosta dos alunos – os adolescentes apreciam uma boa conversa. A comunicação com colegas de sua idade é algo fundamental para torná-los preparados para participar e aprender. O professor atraente conhece seus alunos e chama-os pelos nomes. Sabe as necessidades deles e procura conversar e dar atenção a cada um, o que é imprescindível no processo ensino-aprendizagem.

Ele gosta dos alunos como eles são, com as dificuldades, jeito de falar, escrever ou se vestir; convive com as diferenças deles. Esse tipo de postura favorece o diálogo com a classe e possibilita conscientizá-los a mudar de atitudes. Gostar deles é fundamental para envolvê-los nas atividades da aula e obter sucesso pedagógico.

Planeja positivamente aulas
– planejar com prazer as aulas é garantia de que sabe o que vai ensinar. O professor atraente prepara as lições com amor, a fim de conseguir a participação de todos no desenvolvimento das atividades. Ninguém pode ensinar o que não sabe. Por isso a preparação do professor envolve estudo minucioso. Fazer com que todos aprendam deve ser seu permanente objetivo. Assim o professor, além de estudar, busca aperfeiçoar seu trabalho; procura estar sempre atualizado por meio de leituras e pesquisas; tem domínio do conteúdo; sabe ouvir as dúvidas, sugestões e críticas reconhecendo o que há de bom em seus alunos; e busca diversificar e estimular suas aulas, transformando teoria em prática e estabelecendo uma boa liderança como um professor competente. Tudo isso é fundamental para elaborar e desenvolver um planejamento adequado.

Procura surpreender e cativar os alunos – adolescentes gostam de novidades, surpresas e atividades diferentes que tragam algo novo e divertido. O professor atraente procura renovar seus métodos saindo da mesmice e da rotina, trazendo para aula uma nova dinâmica, uma pesquisa, um joguinho bíblico ou um simples objeto que tenha relação com a aula ou apenas um cartãozinho de boas vindas ou agradecimento pela presença naquele domingo. Dessa forma, os nossos adolescentes ficam ansiosos para voltar na próxima aula e participar das atividades com prazer e vontade de aprender. Assim, como todo bom educador, os professores de adolescentes da Escola Dominical precisam sempre surpreender e cativar seus alunos.

Utiliza recursos didáticos
– O professor atraente utiliza vários recursos que podem ir de uma simples conversa ao uso diversificado da tecnologia para ilustrar sua aula, como vídeos, CD, DVD, pesquisas na internet, livros, revistas, jornais, fotos, figuras, etc. São pequenas técnicas de um professor criativo que desenvolvem no aluno o gosto de aprender e têm um valor extraordinário no processo de ensino. Para que eles aprendam, o mais importante não é utilizar grandes e sofisticados recursos, mas desenvolver atitudes de comunicação. Esses detalhes, às vezes, interferem grandemente na participação da turma e no alcance dos objetivos da aula. Adolescentes gostam de ler, pesquisar, falar, escrever, responder, discutir e argumentar. Portanto, o professor precisa trabalhar as aptidões que eles já têm e abrir oportunidades para que desenvolvam outras habilidades necessárias à vida cristã. Ajudá-los a adquirir bons hábitos e boas atitudes nessa fase é fundamental para o crescimento espiritual e a aprendizagem da Palavra de Deus. Usando o equilíbrio entre planejamento flexível, criatividade e organização, o professor terá como adaptar cada situação, aceitando os imprevistos e gerenciando o inesperado, se por acaso surgir.

Avalia para ensinar melhor – O professor atraente leva os adolescentes a aprender percebendo o próprio desenvolvimento, um processo que pode ser feito pela avaliação coletiva e a autoavaliação. Professor e aluno juntos, numa parceria de respeito e mútua ajuda, obtêm melhores resultados na aprendizagem. Jamais poderemos melhorar o processo de ensino da Palavra de Deus na Escola Dominical se não descobrir em que aspecto estamos falhando mais. E isso é feito na autoavaliação do desempenho do educador: suas atitudes em classe, a maneira de falar, o relacionamento com os adolescentes, as atividades desenvolvidas e a avaliação no final de cada aula e trimestre. É aqui que o professor descobre que não é o “senhor sabe-tudo”, mas é aquele que, com esforços, busca conhecimentos, aprende e se prepara para ensinar. É criando estratégias diversificas de avaliação para vários momentos da aula que o professor consegue melhorar o ensino.

Querido professor, refletir sobre a atitude e o desempenho de sua função no magistério cristão só lhe trará o bem. Não é em vão que os nossos mais renomados mestres sempre estão lendo e nos sugerindo bons livros nesta área que podem aprimorar nossos conhecimentos e nos capacitar cada vez mais para esse ofício tão árduo. Em que perfil você se encaixa: Professor Repelente ou Professor Atraente? Você sabe que ensinar para adolescentes na Escola Dominical é uma tarefa que requer compromisso e responsabilidade.

É tempo de analisar o que você está fazendo e como está conduzindo para o Céu os adolescentes sob sua responsabilidade. Saber como está contribuindo para que eles se tornem jovens convictos da salvação em Cristo Jesus é tarefa altamente gratificante. A maior recompensa desse trabalho é descobrir no futuro que nossos alunos tornaram-se grandes homens e mulheres usados por Deus, com uma vida cristã equilibrada, verdadeiros cristãos e mestres na Palavra de Deus. Isso é muito compensador!

Dicas para se tornar um professor atraente

É necessário conhecer e amar os alunos, zelar por suas vidas espirituais, ajudá-los a louvar a Deus e adotar uma vida cristã equilibrada; 

É necessário fazer com que o aluno descubra verdades por meio do próprio testemunho; é preciso motivar o aluno a pensar, a aprender com gosto e a trabalhar com amor, entre outras.

Ensinador Cristão, Número 47, Ano 12, 2011, Página 45, CPAD.